Pular para o conteúdo principal

Abidel, O Domador de Pássaros

Pai adotivo de Hargot, Abidel é um feiticeiro caçador que mora na Floresta das Grandes Árvores, em Haldom, onde se considera um "ivirez alto", embora todos saibam que se trata de um humano. Também é conhecido como Adraner. Sua casa fica em um descampado, no meio da floresta, e é guardada por falcões e harpias que impedem a entrada de curiosos.

Falcão cinzento ao lado de folhas laranjas de bordo.
Falcão, símbolo de Abidel. Via Pixabay.

Nasceu em Grovágila, a Terra da Neblina, e por isso tornou-se um dos mais poderosos bruxos. Ali, foi escolhido por Obarath como um dos Mestre da Magia, recebendo a dádiva da imortalidade.

Mas, mesmo sendo um dos Mestres, foi frequentemente ignorado pelos outros por sua origem bruxa e decisões arriscadas. Ele não foi chamado para o Embate Mágico em Seniron em 348 da Era dos Reinos, evento que decidiu o futuro das orbes e contribuiu para as revoltas populares de Alvatheon. Nirener, o principal apoiador do Embate, demonstrou pesar sobre a ausência de Abidel oferecendo-lhe uma orbe vermelha Sprekyon, que Abidel ainda usa para se comunicar com os pássaros. Mesmo assim, Abidel não se sentiu compensado e afastou-se de todos os Mestres, escolhendo viver e atuar sozinho em busca da Paz.

É ele quem tem as melhores informações sobre a ondori. A pedido de Seanuli, a Jardineira dos Montes, Abidel penetrou a Floresta Escura, em 359 E. R., à procura de informações mais detalhadas sobre a joia e o Gigante de Fogo que aterrorizava as aldeias alvânicas sulistas. Seanuli jamais confiou inteiramente nele, por isso ordenou que a coruja Oros o vigiasse para sempre. Segundo o próprio Abidel, ele é incapaz de entender e se comunicar com Oros, e não entende o porquê. Na Floresta Escura, encontrou-se com Gorean, o Guardião-Mor da Prisão das Torturas, e descobriu tudo (ou quase tudo) sobre a joia, o monstro, Balor e Sireyg.

Por um longo tempo (600 anos), Abidel não foi mais visto nem tomou parte no destino dos Povos. Supõe-se que estivera viajando pelo mundo procurando mais informações sobre a ondori. Apenas a coruja Oros pode saber o que houve nesse entretempo por segui-lo de perto.

Abidel só reaparece em 957 E. R. Pressupõe-se que o Mestre estava nas montanhas à procura dos videntes Edeni e Veria, mas não os encontrou. Edeni já havia sido morto pelos uriarques e Veria, escolhido o Sono Eterno. Em compensação, encontrou Sarmok, pai de Hargot e Airond, que pediu para que o Mestre levasse os filhos de volta à Floresta Talpek. Abidel obedeceu, em parte, pois levou Hargot consigo como filho adotivo, entregando apenas Airond aos cuidados de Cirbo, amigo de Sarmok. Desde então, Abidel assumiu a personalidade de Adraner.

"Sua roupa vermelha de bordas douradas brilhava com a luz do sol. Atrás da roupa, uma capa rubra com capuz balançava ao toque da brisa matutina, prendida na frente do pescoço por um broche circular de ouro. As botas marrons e sujas de terra eram grossas e compridas, sumindo em suas vestes. Como um caçador Abidel trazia um arco vermelho na mão e uma aljava negra nas costas. Além dessa arma, tinha prendida ao cinto encrustado de pedras parecidas com rubis, uma espada longa e afiada. A barba com pinceladas grisalhas era curta e bem cortada, e os cabelos velhos e longos formavam duas mechas na frente do rosto, que desciam ao peito qual tranças. Seus olhos fundos mas alegres davam-lhe um caráter rígido, e suas olheiras revelavam as várias noites que passara sem dormir. Não havia nada de ivirez nele. Parecia um guerreiro bravo e sábio, cuja experiência de vida havia lhe dado profundos conhecimentos e lhe tornado merecedor de enorme respeito. Aquele não era Abidel, era Adraner, O Rubro, o terceiro Mestre da Magia, um dos Sábios. Se Glaudir o acompanhasse em sua viagem, a sorte o acompanharia. Carregava a sabedoria de um Rei-Alvane, a bravura de um homem de guerra e a coragem de um huart aventureiro."

(Descrição de Abidel em O Sangue da Deusa) 

Comentários

Mais vistas

Cloribeth, A Árvore do Centro

Cloribeth é o nome da árvore que o rei Mondinon plantou no centro de Trorivast em memória da esposa. A rainha havia sido morta por um grupo de uriarques que se esconderam no Bosque Enindrous (472 E. R.). Mondinon então pediu para Írade, filho do regente, viajar à Velha Aragus e coletar um fruto da Árvore do Paraíso . Dizia-se que a árvore havia sido plantada pela Grande Celeste Groweni, A Bela, e que crescera tanto que alcançou os céus. Írade cumpriu a missão e o próprio rei Mondinon plantou as sementes do fruto. A nova árvore também cresceu, se tornando símbolo de Trorivast. Por muito tempo abrigou os bilvoques, que ainda não tinham lar no reino. E mais tarde abrigou os mendigos e doentes que se sentiam protegidos sobre sua sombra. A água de suas raízes, eles diziam, era o que os mantinham vivos. Os huarts penduraram pedras da lua em seus galhos quando Gurdang tornou-se vassalo de Trorivast (c. 500 E. R.), e toda noite Cloribeth brilhava com a luz dessas pedras. Mas no fim da Era do

A Origem da Noite

"No início de tudo, havia os três domínios: Venrer, A Terra, infértil e sem montanhas; Caema, O Mar, zombeteiro e turbulento; e Oriel, O Céu, silencioso e sem estrelas. Quando Oriel recebeu as Nove Chamas, criou a Noite para proteger a Terra dos barulhos do Mar. Mas a Noite era egoísta, apaixonou se pela Terra e quis escondê-la de todos. Assim, tomou a forma de uma enorme serpente de fumo e abraçou a Terra, impedindo-a de escutar o Mar e de ver o Céu. A Terra foi sufocando com o abraço. Representação da Noite em sua forma de fumaça (Via Pixabay) Preocupado, Oriel criou Yerandar, O Primeiro Verith. Deu ao jovem uma lança e jogou-o em direção a Terra, fazendo-o atravessar as nuvens espessas da Noite. Se não fosse pelo terreno cada vez mais arenoso, talvez o verith não tivesse suportado a queda. Oriel prometeu a Yerandar as Noves Chamas, caso ele conseguisse salvar Venrer. O Primeiro Verith conversou com a Terra e ela lhe contou que era oca por dentro, totalmente vazia. Então, Yerand

Cariga, A Árvore do Milagre

Árvore rara que cresce nos picos das mais altas montanhas. Uma espécime foi encontrada por Betesen , esposa de Veridor , na Cordilheira dos Andrus quando eles fugiam do Reino de Mineth . Os alvanes construíram Ederon justamente para protegê-la, onde os dois cuidam da árvore. Diz-se que o orvalho que escorre dos ramos durante a madrugada tem fortes propriedades medicinais, chegando a curar qualquer doença, mas é difícil coletá-lo. Quando em pouca quantidade, ele evapora ao toque da luz do sol, por isso Betesen estimula uma liberação maior do líquido com canções. O orvalho cai numa banheira e é armazenado em garrafas por Veridor . Além dos poderes de cura, acredita-se que o orvalho de cariga pode aumentar a solidez de objetos. Devido a essas propriedades, a cariga é mantida em segredo e seu acesso é restrito aos membros da família de Veridor , que temem que o uso descontrolado da árvore possa extingui-la.

Ankef, O Guardião das Janelas

Ankef na janela de Ederon Ankef, ou sino dos ventos, é um objeto sonoro que os alvanes penduram nas janelas e portas de suas casas para afastar as emanações maléficas da Noite e os espíritos maus. Consiste de sete tubos ocos de madeira unidos uns aos outros por um fio de prata. Cada um dos tubos possuem uma corrente em sua ponta. Dessa forma, quando o vento os toca, os ankefid assobiam, batem e tilintam baixinho. Segundo os alvanes, é esse som suave que mantém suas casas protegidas. Há uma versão mais rústica dos ankefid no Bosque de Seanuli . Foram pendurados nos galhos das macieiras e das glicínias. No lugar dos tubos de madeira, fios de prata e correntes, usou-se gravetos e teias de aranha. Esses ankefid não eram capazes de tilintar ou assobiar. Ainda assim, detinham poder protetivo. Glicínias, via Pixabay