Pular para o conteúdo principal

HISTÓRIA

OS TEMPOS ANTIGOS

A Era Escura

A Praga ou Peste Verde

A Praga ou Peste Verde foi uma doença que se disseminou durante os Tempos Antigos, na Era Sombria, e afetou todos os povos que moravam na Floresta-Mãe. Houve poucos casos no Reino da Montanha, provavelmente por ser um lugar de difícil acesso. O Reino Nortista a tratou como "miasmas dos dragões", uma maldição lançada pelo verith sombrio Yeranvath sobre todos os homens, enquanto os povos da floresta a consideraram como uma consequência dos incêndios e da fuga dos espíritos das árvores

A Praga foi tão temida que foi um dos motivos para os alvanes aportarem primeiro na Terra-Dourada dos huarts no extremo oriente e para a migração dos antigos ivirezes para o lago Sone. Seus primeiros sinais eram manchas esverdeadas que se espalhavam por todo o rosto, por isso o nome Peste Verde. A partir do quinto dia a doença se agravava, perturbando a audição e o equilíbrio e imobilizando os dedos. Mais tarde, ocasionava coma febril e morte

Embora ainda seja temida atualmente, a Praga está restrita a aldeias florestais próximas a rios. Os lêmures da Floresta Escura também são afetados, mas de forma leve, com apenas surgimento de cicatrizes verdes atrás da cabeça. Os curandeiros dali aprenderam a usar esses lêmures para proteger suas aldeias, coletando suas cicatrizes, reduzindo-as a pó e expondo-as a vapor de água. As crianças, então, aspiravam o pó e ficavam protegidas da Peste

Vale destacar que os ivirezes atuais não desenvolvem a doença. Curiosamente, manchas esverdeadas aparecem em seus rostos durante a "adolescência", semelhantes às manchas da Peste Verde. 

A Era dos Povos

OS TEMPOS RECENTES

A Era dos Reinos

clique em Cronologia da Era dos Reinos para ver a versão detalhada.

A Era Celeste

clique em Cronologia da Era Celeste para ver a versão detalhada.

Comentários

Mais vistas

Nirener, o Feiticeiro das Águas

Pouco se sabe sobre a vida mortal de Nirener, o feiticeiro das águas. Sabe-se que vivera na Floresta Alvatheon, mas onde exatamente é um mistério que ele teima em esconder. No presente, é descrito como "quieto demais e pensativo demais", bastante precavido e metido a fazer as coisas sempre sozinho. Foi um dos primeiros a tornar-se Mestre da Magia, o único a receber a imortalidade na Terra Sagrada dos Verith, onde foi navegante e depois discípulo de Obarath, O Justo, escolhendo a cor azul em sua capa para representar as águas do oceano. Ao retornar para Aragus (296 E. R.), tornou-se pupilo de Sil Barok, com quem aprendeu a evocar a Luz Azul da Proteção e tudo sobre os Miasmas da Noite, mantendo a cor da capa. Diante do poder de Havar, o monveran da morte que se alastrava por Haldom e corrompia os ivirezes, Nirener foi chamado para prendê-lo. Com a ajuda de Sil Barok, conseguiu trancafiá-lo nas "raízes de Atokuzi", dando fim a seu reino obscuro e iniciando