Pular para o conteúdo principal

Nirener, o Feiticeiro das Águas

Pouco se sabe sobre a vida mortal de Nirener, o feiticeiro das águas. Sabe-se que vivera na Floresta Alvatheon, mas onde exatamente é um mistério que ele teima em esconder. No presente, é descrito como "quieto demais e pensativo demais", bastante precavido e metido a fazer as coisas sempre sozinho.

Foi um dos primeiros a tornar-se Mestre da Magia, o único a receber a imortalidade na Terra Sagrada dos Verith, onde foi navegante e depois discípulo de Obarath, O Justo, escolhendo a cor azul em sua capa para representar as águas do oceano.

Ao retornar para Aragus (296 E. R.), tornou-se pupilo de Sil Barok, com quem aprendeu a evocar a Luz Azul da Proteção e tudo sobre os Miasmas da Noite, mantendo a cor da capa. Diante do poder de Havar, o monveran da morte que se alastrava por Haldom e corrompia os ivirezes, Nirener foi chamado para prendê-lo. Com a ajuda de Sil Barok, conseguiu trancafiá-lo nas "raízes de Atokuzi", dando fim a seu reino obscuro e iniciando a longa e conhecida era de paz em Haldom (340 E. R.).

Também foi Nirener quem liderou o conselho contra Mineth, o Rei de Alvatheon, sua terra natal. Com os outros Mestres da Magia, lutou contra os Sábios da floresta no chamado Embate Mágico (348 E. R.) e tirou-lhes sua criação mais poderosa, as orbes, prometendo escondê-las dos alvanes.

No entanto, para manter a paz em Alvatheon, ele aceitou que o rei permanecesse com uma, a "orbe do fogo", erro que se arrepende até hoje, pois com ela Mineth foi capaz de cometer atrocidades com o povo alvânico. O destino de duas outras orbes são conhecidas: a "orbe dos pássaros", que ele entregou para Abidel como um pedido de desculpas, e a "orbe da água", que manteve consigo e deu-lhe a alcunha de feiticeiro das águas.

Devido ao Embate Mágico, Nirener foi expulso de Alvatheon e abraçou a solidão, tornando-se um andarilho e ignorando tudo que acontecia em sua terra. Nesse tempo, sua única companhia era o céu azul.

"Eu sou um homem de três vidas e três azuis. Guardo oceanos, chamas e um céu em minha capa. Você me diz que o azul é belo, e sim, ele é. Mas se derrama demais, tantas vezes, de maneira tão imprevisível..." (Nirener para Airond, em A Sina dos Reis)

Comentários

Mais vistas

Cloribeth, A Árvore do Centro

Cloribeth é o nome da árvore que o rei Mondinon plantou no centro de Trorivast em memória da esposa. A rainha havia sido morta por um grupo de uriarques que se esconderam no Bosque Enindrous (472 E. R.). Mondinon então pediu para Írade, filho do regente, viajar à Velha Aragus e coletar um fruto da Árvore do Paraíso . Dizia-se que a árvore havia sido plantada pela Grande Celeste Groweni, A Bela, e que crescera tanto que alcançou os céus. Írade cumpriu a missão e o próprio rei Mondinon plantou as sementes do fruto. A nova árvore também cresceu, se tornando símbolo de Trorivast. Por muito tempo abrigou os bilvoques, que ainda não tinham lar no reino. E mais tarde abrigou os mendigos e doentes que se sentiam protegidos sobre sua sombra. A água de suas raízes, eles diziam, era o que os mantinham vivos. Os huarts penduraram pedras da lua em seus galhos quando Gurdang tornou-se vassalo de Trorivast (c. 500 E. R.), e toda noite Cloribeth brilhava com a luz dessas pedras. Mas no fim da Era do

A Origem da Noite

"No início de tudo, havia os três domínios: Venrer, A Terra, infértil e sem montanhas; Caema, O Mar, zombeteiro e turbulento; e Oriel, O Céu, silencioso e sem estrelas. Quando Oriel recebeu as Nove Chamas, criou a Noite para proteger a Terra dos barulhos do Mar. Mas a Noite era egoísta, apaixonou se pela Terra e quis escondê-la de todos. Assim, tomou a forma de uma enorme serpente de fumo e abraçou a Terra, impedindo-a de escutar o Mar e de ver o Céu. A Terra foi sufocando com o abraço. Representação da Noite em sua forma de fumaça (Via Pixabay) Preocupado, Oriel criou Yerandar, O Primeiro Verith. Deu ao jovem uma lança e jogou-o em direção a Terra, fazendo-o atravessar as nuvens espessas da Noite. Se não fosse pelo terreno cada vez mais arenoso, talvez o verith não tivesse suportado a queda. Oriel prometeu a Yerandar as Noves Chamas, caso ele conseguisse salvar Venrer. O Primeiro Verith conversou com a Terra e ela lhe contou que era oca por dentro, totalmente vazia. Então, Yerand

Cariga, A Árvore do Milagre

Árvore rara que cresce nos picos das mais altas montanhas. Uma espécime foi encontrada por Betesen , esposa de Veridor , na Cordilheira dos Andrus quando eles fugiam do Reino de Mineth . Os alvanes construíram Ederon justamente para protegê-la, onde os dois cuidam da árvore. Diz-se que o orvalho que escorre dos ramos durante a madrugada tem fortes propriedades medicinais, chegando a curar qualquer doença, mas é difícil coletá-lo. Quando em pouca quantidade, ele evapora ao toque da luz do sol, por isso Betesen estimula uma liberação maior do líquido com canções. O orvalho cai numa banheira e é armazenado em garrafas por Veridor . Além dos poderes de cura, acredita-se que o orvalho de cariga pode aumentar a solidez de objetos. Devido a essas propriedades, a cariga é mantida em segredo e seu acesso é restrito aos membros da família de Veridor , que temem que o uso descontrolado da árvore possa extingui-la.

Ankef, O Guardião das Janelas

Ankef na janela de Ederon Ankef, ou sino dos ventos, é um objeto sonoro que os alvanes penduram nas janelas e portas de suas casas para afastar as emanações maléficas da Noite e os espíritos maus. Consiste de sete tubos ocos de madeira unidos uns aos outros por um fio de prata. Cada um dos tubos possuem uma corrente em sua ponta. Dessa forma, quando o vento os toca, os ankefid assobiam, batem e tilintam baixinho. Segundo os alvanes, é esse som suave que mantém suas casas protegidas. Há uma versão mais rústica dos ankefid no Bosque de Seanuli . Foram pendurados nos galhos das macieiras e das glicínias. No lugar dos tubos de madeira, fios de prata e correntes, usou-se gravetos e teias de aranha. Esses ankefid não eram capazes de tilintar ou assobiar. Ainda assim, detinham poder protetivo. Glicínias, via Pixabay