Pular para o conteúdo principal

Yeranrog, O Pai dos Nidrogs

Sombra em uma caverna escura e enevoada. A sombra tem cifres e corpo de serpente abaixo do tronco.

Os nidrogs são criaturas de olhos amarelos, escamas e presas venenosas que foram bastante usados nas Guerras Antigas. Foram uma das criações de Yeranvath, O Pai dos Monstros, para compor seu exército de aberrações.

Cinco generais os lideraram na guerra, supostamente os únicos seres capazes de controlar a natureza ofídica dos nidrogs. Os generais foram mortos logo antes da derrota de Yeranvath e da Queda do Império dos Dragões.

Com a Caça aos Monstros que se sucedeu à derrota, os nidrogs foram os mais massacrados por terem perdido a capacidade racional, antes mantida pelos generais. Assim, aqueles que escaparam até hoje se escondem em baixo da terra, onde aguardam alguma vítima para se alimentar e de onde raramente saem para reprodução.

No entanto, por algum motivo obscuro, um dos generais foi mantido vivo e, dizem, habita uma floresta que ninguém deve entrar, nem mesmo os animais. A esse suposto general, deram o nome de Yeranrog, O Rei dos Rogs (nidrogs).

Você só entraria nessa floresta se realmente não tivesse nenhuma outra opção, pois sem animais para se alimentar, Yeranrog acabou perdendo a consciência e enlouquecendo. E se ele for mesmo um dos generais...

A palavra nidrog vem de nidhogg, a serpente/dragão que fica roendo as raízes de Yggdrasil, a árvore que segura os mundos, na mitologia nórdica. Eu pensei em aportuguesar a palavra ainda mais para nidirrogue (como fiz com uriarque e bilvoques), mas achei a palavra bem grande. Então, preservei nidrog, que eu nem pronuncio mais nidirrogue, e sim nidrog, tipo drogas mesmo.

Yeranrog em O Sangue da Deusa

No período do livro, Yeranrog habita a Mata Negra, aprisionado por Sil Barok. Os bawians são responsáveis por mantê-lo lá dentro já que não podem ser envenenados, enquanto Cristal e Daro impedem que viajantes entrem na floresta. O monstro dorme durante o dia e caça durante a noite. Ele é tão poderoso que chega a alterar a natureza a seu redor nesses momentos e é temido até mesmo pelos uriarques.

Segundo Daro:

"— Sil Barok lutou contra ele há muito, muito tempo. Não foi capaz de matá-lo, mas conseguiu mantê-lo preso nesta floresta. A única meta dos nidrogs é sobreviver e se alimentar, assim, não podem formar um exército, sempre são inimigos uns dos outros. No entanto, Sil Barok acredita que este daqui pode reuni-los. Ele é muito forte, apenas armas sagradas ou alvânicas conseguem realmente feri-lo. Os alvanes o conhecem, mas como lenda. Ele já foi um grande general e seu inimigo mortal foi e ainda é o Sil Barok.

— Então, por que Sil continua morando aqui?

— Para mantê-lo nesta floresta e impedir que desavisados como vocês entrem nela. A Mata Negra não permite a entrada de nenhum nidrog e nenhum espectro. Mas seres normais e benignos podem penetrá-la."

(Outono em Primavera, O Sangue da Deusa)

É descrito como uma enorme serpente negra com dois braços humanos e cinco cifres na cabeça. Seu odor é nauseante, e os olhos amarelos e hipnotizantes, capazes de brilhar no escuro.

"Glaudir arrastou-se pelo chão. A cabeça humana de Yeranrog sorria, cinco pontas como estacas a rodeavam. Seus braços fediam, sujos, e vinham sufocá-lo em um abraço.

Glaudir puxou Verneti e apontou. O ivirez tremia de medo, mesmo assim, Yeranrog desviou diante da emanação da espada, enrolou a cauda e escondeu-se nas árvores. Glaudir levantou-se e pôs-se a correr. O sibilo da serpente confundia-se com o vento enquanto ela rastejava, afastando as folhas caídas no chão. Dentro do túnel, Glaudir lutava contra o cansaço. Não ousava olhar para trás.

Yeranrog saltou e derrubou o ivirez com o seu peso. Deitou-se sobre ele, tentando cobri-lo com a cauda. Havia fome nos olhos amarelos. O monstro abriu a boca para a mordida mortal, suas presas eram imensas, compridas, mas afiadas como uma agulha. Glaudir não resistiria a uma mordida.

O ivirez espetou Verneti nas costas escamosas da serpente. Yeranrog gritou, suas três línguas assobiaram em uníssono."

(O Despertar da Serpente, O Sangue da Deusa)


Comentários

Mais vistas

Cloribeth, A Árvore do Centro

Cloribeth é o nome da árvore que o rei Mondinon plantou no centro de Trorivast em memória da esposa. A rainha havia sido morta por um grupo de uriarques que se esconderam no Bosque Enindrous (472 E. R.). Mondinon então pediu para Írade, filho do regente, viajar à Velha Aragus e coletar um fruto da Árvore do Paraíso . Dizia-se que a árvore havia sido plantada pela Grande Celeste Groweni, A Bela, e que crescera tanto que alcançou os céus. Írade cumpriu a missão e o próprio rei Mondinon plantou as sementes do fruto. A nova árvore também cresceu, se tornando símbolo de Trorivast. Por muito tempo abrigou os bilvoques, que ainda não tinham lar no reino. E mais tarde abrigou os mendigos e doentes que se sentiam protegidos sobre sua sombra. A água de suas raízes, eles diziam, era o que os mantinham vivos. Os huarts penduraram pedras da lua em seus galhos quando Gurdang tornou-se vassalo de Trorivast (c. 500 E. R.), e toda noite Cloribeth brilhava com a luz dessas pedras. Mas no fim da Era do

A Origem da Noite

"No início de tudo, havia os três domínios: Venrer, A Terra, infértil e sem montanhas; Caema, O Mar, zombeteiro e turbulento; e Oriel, O Céu, silencioso e sem estrelas. Quando Oriel recebeu as Nove Chamas, criou a Noite para proteger a Terra dos barulhos do Mar. Mas a Noite era egoísta, apaixonou se pela Terra e quis escondê-la de todos. Assim, tomou a forma de uma enorme serpente de fumo e abraçou a Terra, impedindo-a de escutar o Mar e de ver o Céu. A Terra foi sufocando com o abraço. Representação da Noite em sua forma de fumaça (Via Pixabay) Preocupado, Oriel criou Yerandar, O Primeiro Verith. Deu ao jovem uma lança e jogou-o em direção a Terra, fazendo-o atravessar as nuvens espessas da Noite. Se não fosse pelo terreno cada vez mais arenoso, talvez o verith não tivesse suportado a queda. Oriel prometeu a Yerandar as Noves Chamas, caso ele conseguisse salvar Venrer. O Primeiro Verith conversou com a Terra e ela lhe contou que era oca por dentro, totalmente vazia. Então, Yerand

Cariga, A Árvore do Milagre

Árvore rara que cresce nos picos das mais altas montanhas. Uma espécime foi encontrada por Betesen , esposa de Veridor , na Cordilheira dos Andrus quando eles fugiam do Reino de Mineth . Os alvanes construíram Ederon justamente para protegê-la, onde os dois cuidam da árvore. Diz-se que o orvalho que escorre dos ramos durante a madrugada tem fortes propriedades medicinais, chegando a curar qualquer doença, mas é difícil coletá-lo. Quando em pouca quantidade, ele evapora ao toque da luz do sol, por isso Betesen estimula uma liberação maior do líquido com canções. O orvalho cai numa banheira e é armazenado em garrafas por Veridor . Além dos poderes de cura, acredita-se que o orvalho de cariga pode aumentar a solidez de objetos. Devido a essas propriedades, a cariga é mantida em segredo e seu acesso é restrito aos membros da família de Veridor , que temem que o uso descontrolado da árvore possa extingui-la.

Ankef, O Guardião das Janelas

Ankef na janela de Ederon Ankef, ou sino dos ventos, é um objeto sonoro que os alvanes penduram nas janelas e portas de suas casas para afastar as emanações maléficas da Noite e os espíritos maus. Consiste de sete tubos ocos de madeira unidos uns aos outros por um fio de prata. Cada um dos tubos possuem uma corrente em sua ponta. Dessa forma, quando o vento os toca, os ankefid assobiam, batem e tilintam baixinho. Segundo os alvanes, é esse som suave que mantém suas casas protegidas. Há uma versão mais rústica dos ankefid no Bosque de Seanuli . Foram pendurados nos galhos das macieiras e das glicínias. No lugar dos tubos de madeira, fios de prata e correntes, usou-se gravetos e teias de aranha. Esses ankefid não eram capazes de tilintar ou assobiar. Ainda assim, detinham poder protetivo. Glicínias, via Pixabay